Google Core Updates

O Google acabou de confirmar que lançou um “Google Core Update” ou um update amplo hoje:

Uma nova atualização ampla do núcleo (Google Core Updates) começará a ser lançada na quarta-feira – esta chamada de Atualização do núcleo de junho de 2021, anunciou o contato de pesquisa do Google Danny Sullivan, acrescentando que também devemos esperar uma atualização principal de julho de 2021 no mês que vem.

https://searchengineland.com/google-june-2021-core-update-rolling-out-349121

O “June 2021 Core Update” vem um mês antes do update já esperado para o mês que vem. O seu site pode ter uma queda, um um aumento no ranking ou simplesmente não acontecer nada. Isso pode acontecer todos os dias.

AEO é o novo SEO

Mas uma coisa que o próprio Google lembrou no aviso sobre esse lançamento é o que me fez escrever este pequeno post. É isso que eu quero compartilhar aqui:

Como fazer para o meu site ficar à prova dos Google Core Updates?

Isso é possível? O Google não controla a sua SERP com mão de ferro e mudanças impiedosas e incontroláveis acontecem o tempo todo? Os Google Core Updates não são algo que temos que somente lidar com eles?

Nesta página, chamada “O que os webmasters precisam saber sobre as principais atualizações do Google”, eles mesmo dão dicas super valiosas sobre o que devemos prestar atenção na hora de criar conteúdo e publicar em nossos sites.

Vamos ver elas?

Perguntas sobre o conteúdo e a qualidade 

  1. O conteúdo mostra informações, relatos, pesquisas ou análises originais?
  2. Ele inclui uma descrição significativa, completa ou abrangente do assunto?
  3. O material apresenta análises relevantes ou informações interessantes e originais?
  4. Quando o conteúdo é baseado em outras fontes, você evita simplesmente copiar ou reescrever e adiciona valor e originalidade ao material?
  5. O cabeçalho e/ou o título da página exibem um resumo descritivo e útil do conteúdo?
  6. Você evita o uso de termos exagerados ou chocantes no cabeçalho e/ou título da página?
  7. Esse é o tipo de página que você adicionaria aos favoritos, compartilharia com um amigo ou recomendaria a alguém?
  8. Você esperaria ver esse conteúdo em uma revista, enciclopédia ou livro impresso?

Perguntas sobre o nível de especialização 

  1. O conteúdo apresenta as informações de maneira confiável, com indicação clara da fonte, evidências do uso de conhecimento especializado e dados sobre o autor ou site da publicação (como links para uma página de apresentação)?
  2. Se você fizesse uma pesquisa sobre o site que produz o conteúdo, ficaria com a impressão de que ele é confiável ou amplamente reconhecido como uma autoridade no assunto?
  3. O material é escrito por um especialista ou entusiasta que comprovadamente conhece bem o tema?
  4. O conteúdo tem erros factuais que podem ser facilmente verificados?
  5. Você confiaria neste conteúdo quanto a questões relacionadas às suas finanças ou sua vida?

Perguntas sobre apresentação e produção 

  1. Há problemas de ortografia ou estilo?
  2. O conteúdo foi bem produzido ou parece ter sido feito às pressas ou com pouco cuidado?
  3. O conteúdo é produzido em massa ou de maneira terceirizada por muitos criadores? Ele está espalhado por uma grande rede de sites? Esses fatores costumam fazer com que a produção de páginas e sites específicos seja menos cuidadosa.
  4. A página tem uma quantidade excessiva de anúncios que distraem o usuário ou interferem no conteúdo principal?
  5. O material é exibido corretamente em dispositivos móveis?

Perguntas comparativas 

  1. O conteúdo oferece um valor significativo quando comparado a outras páginas nos resultados da pesquisa?
  2. O conteúdo atende aos interesses dos visitantes do site, ou parece que o material só foi feito com o objetivo de melhorar a classificação da página nos mecanismos de pesquisa?

Nós, profissionais de SEO, costumamos dar bastante importância a uma atualização do algoritmo principal do Google, e geralmente ações são tomadas depois que algo acontece. Mas essa é uma boa prática?

Para nos ajudar a refletir, quero citar algumas coisas, como as perguntas abaixo, retiradas do post do Google:

O conteúdo mostra informações, relatos, pesquisas ou análises originais?

O conteúdo que eu crio no meu site é 100% original? Claro que não, ele é influenciado, impactado e usa das mais diversas fontes, mas o problema não é esse. O meu compromisso em trazer bons dados, transformá-los em informações relevantes, talvez baseado em pesquisas bem feitas e analisar isso tudo de um ponto de vista original é que é o ponto.

Isso me lembra muito o trabalho do pesquisador, do cientista, quando produz informação científica.

O material apresenta análises relevantes ou informações interessantes e originais?

Originalidade e relevância nas informações novamente. A originalidade pode ser encarada como “qualidade do que é inusitado, do que não foi ainda imaginado, dito, feito etc.; inovação, singularidade.” ou “capacidade para expressar-se de modo independente e individual.

Nem sempre você precisa criar um conteúdo que nunca foi feito (e convenhamos, isso é cada vez menos provável) mas pode expressar-se de modo independente e individual, dando o seu ponto de vista acerca daquele tema.

Será que não é isso que o Google quer de nossos conteúdos? E nossos visitantes e leitores, não querem o mesmo?

Quando o conteúdo é baseado em outras fontes, você evita simplesmente copiar ou reescrever e adiciona valor e originalidade ao material?

Capacidade para expressar-se de modo independente e individual. Originalidade, lembra?

Quantos conteúdos encontramos por ai, que são somente cópias bem escritas de outros. Olha, não vou ser hipócrita, muitas das coisas que eu tenho postado aqui vieram de outros textos, claro.

Mas os que ficam mais legais são os que começam com uma conversa com um ou mais textos, de outros autores, mas que eu me aproprio deles e dou a minha visão sobre o assunto.

Você evita o uso de termos exagerados ou chocantes no cabeçalho e/ou título da página?

5 temas absurdamente esclarecedores sobre como tornar o SEO a fonte de infinitas riquezas! ou 4 dicas infalíveis de criar uma empresa agora e detonar seus concorrentes em um mês.

O que me deixa intrigado: se o Google declara que gostaria que evitássemos isso, porque dá certo? Quantos profissionais que confiam 100% em ferramentas de otimização de posts (Yoast, estou falando de você) usam essas técnicas para ter o “verdinho”?

Você esperaria ver esse conteúdo em uma revista, enciclopédia ou livro impresso?

Aqui a minha formação (em andamento) de Bibliotecário fala mais forte: para um conteúdo ser publicado é preciso cumprir certos critérios como experiência, autoridade no assunto, confiabilidade de fontes e informações, originalidade.

Isso te lembra algo? Experiência, Autoridade e Confiabilidade (o famoso EAT), o originalidade e tudo o que falei aqui.

Me parece que o background acadêmico dos fundadores do Google permanece forte na ideia de que o buscador tem de bom conteúdo. Por isso esse lançamento me fez pensar que “core updates” são interessantes, mas ter um conteúdo original é que faz meu site aprova de mudanças.

Referência: https://developers.google.com/search/blog/2019/08/core-updates

SEO Semântico: A pesquisa Semântica

Gerencie o SEO com a pesquisa semântica em mente. Desde que o Google lançou o RankBrain em 26 de Outubro de 2015, a forma como otimizamos o conteúdo dos...

Checklist de SEO para wordpress em 2021

Numa manhã um amigo me pergunta no WhatsApp: “Tu tem algum checklist de SEO para wordpress pra me indicar?”. Eu resolvi escrever o meu.

A Web Semântica e o SEO – Ao Vivo

Venha conversar comigo sobre SEO e Web Semântica!

Como trabalhar com o SEO?

Antes de responder como trabalhar com o SEO, quero que separe um tempo para assistir esse filme. Você não precisa fazer nenhuma faculdade para começar a trabalhar com SEO mas precisa desenvolver algumas habilidades importantes, como redação para Web, conhecimento técnico de desenvolvimento de sites (mas não precisa necessariamente ser um desenvolvedor), conhecer a fundo o funcionamento dos buscadores e algoritmos, análise de dados entre outras habilidades.

A Solução para as Fake News

Esse post foi originalmente escrito no meu linkedin e está sendo repostado aqui no blog. Se fizermos um esforço conjunto de todos que criam para a Web (redatores, programadores, pesquisadores e etc) podemos finalmente construir o sonho do Tim quando escreveu o Linked Data: A Web Semântica não é apenas sobre colocar dados na web.

O que é SEO em marketing digital?

Essa é uma das perguntas que me fazem um dia desses: O que é SEO em marketing digital? Isso acontece através do envio de uma série de mensagens (que podem ser feitas por e-mail, mensagens por celular ou aplicativos e redes sociais), no intuito de informar seu lead.

As 5 Leis do SEO

As 5 leis da Biblioteconomia, criadas por Ranganathan, definem as regras por qual todo ambiente informacional deve se relacionar com seus visitantes e suas necessidades de informação. Elas foram adaptadas ao SEO.

Exploração da semântica intrínseca dos dados

Pierre Lévy, em seu A Esfera Semântica, propõem um trabalho que combina ciências humanas com informática e ciências cognitivas, começando o trabalho teórico e conceitual da construção colaborativa de um “Hipercórtex global coordenada por uma metalinguagem computacional”. O potencial intrínseco no textos, criado pelo uso da linguagem natural, conectado com o potencial de tecnologias como a Inteligência Artificial, Tesauros, ontologias e marcação de dados, promete revolucionar o jeito que fazemos indexação, organização e recuperação da informação.

O que é e como funciona o SEO?

Este post inaugura uma série de posts que venho comecei a planejar tem pouco tempo e resolvi colocar logo em prática. Você está em um site de um consultor SEO, que defende e adora trabalhar com otimização, mas a resposta para essa pergunta é só uma: Experiência do Usuário.

Otimização de Sites: as 3 novas diretrizes técnicas

É hora de falar sobre algo que assusta muitos profissionais de SEO e donos de sites: os aspectos técnicos para a otimização de sites. A interatividade do usuário com o seu site O atraso na primeira entrada ou First Input Delay (FID) é uma métrica técnica muito importante, sendo usada para medir a capacidade de resposta da carga na página, pois quantifica a experiência que os usuários tem ao tentar interagir com páginas que não respondem.