Knowledge Graph – um mundo de conexões

Nós vivemos em um mundo de conexões. Muitas vezes é extremamente complicado entender essas conexões e por isso usamos Graphos do Conhecimento (Knowledge Graph) para representar essas relações de forma gráfica, visual, compreensível.

Para ajudar a compreensão sobre esse tema tão intrigante e ao mesmo tempo fundamental para um mundo cada vez mais formado por dados interconectados, que apresento esse vídeo do Projeto ResearchSpace do British Museum. Assista, por favor:

Abaixo traduzi a descrição do texto do vídeo para o português, se quiser, pode ler:

Este pesquisador está investigando o legado de Leonardo da Vinci, o Homem Vitruviano, que influenciou designers e arquitetos por centenas de anos. Mas essa forma idealizada aborda a diversidade humana e a complexidade do mundo hoje?

Enquanto seu caderno se enche de idéias, ela se pergunta sobre a relevância de seu trabalho. Como se constrói e amplia o trabalho dos outros e como se torna parte de um desenvolvimento mais amplo do conhecimento interconectado?

Dados estruturados e o SEO

Como pesquisadores em um mundo digital, navegamos usando mecanismos de busca que indexam nossas informação, mas remova seu significado e contexto. Quando digitalizamos nosso trabalho em meios estruturados, como planilhas e bancos de dados, perdemos não apenas o significado e o contexto, mas também as conexões dinâmicas que nossas mentes criam. Para estruturar e construir conhecimento, precisamos projetar uma tecnologia que estimule e capte o pensamento humano de maneira estruturada e flexível.

Leonardo da Vinci disse:

Aprenda a ver. Perceba que tudo se conecta com todo o resto”.
Knowledge Graph podem ser criados para conectar conceitos.

O ResearchSpace coloca o foco na rede de relacionamentos que nos definem e no nosso mundo.

No ResearchSpace as convenções de bancos de dados e planilhas são substituídas por um mapa de conhecimento, uma tela flexível que permite aos pesquisadores evoluir sem fronteiras uma constelação de atores, lugares, objetos de eventos, conceitos, idéias e práticas.

Cada item no mapa é definido por suas conexões, que não são simplesmente rótulos e linhas, mas relações significativas interpretáveis ​​por um computador. Embora possam parecer um mapa mental, os mapas do conhecimento expressam seus processos de pesquisa, pensamento e informações à medida que evoluem. Através de seu meio visual, você pode trabalhar com dados em diferentes níveis de detalhe, desenvolvendo seus conhecimentos e idéias, e incorporando-os como evidência de crenças e argumentos ao lado de outros colaboradores.

Knowledge Graph representando as relações entre entidades relacionadas ao Leonardo da Vinci

Heráclito, o filósofo, disse: “

A única constante da vida é a mudança”.

Novos conhecimentos podem mudar nossa compreensão do passado.

O ResearchSpace pode refletir essa história em evolução, em vez de deixar o passado congelado no tempo. Os pesquisadores podem, através de uma série de ferramentas, entender, interpretar, expandir e anotar continuamente o mapa do conhecimento, contribuindo com suas descobertas e permitindo-lhes comparar e reconciliar seus diferentes pontos de vista.

Além de visualizar o mapa do conhecimento, o ResearchSpace gera diferentes visões dos dados por meio de mapas, diagramas de linhas temporais e gráficos.

Mapa visual de um Knowledge Graph

Essas visões podem ser entrelaçadas em um novo tipo de narrativa em evolução, que pode incorporar seus processos de pesquisa e informações que refletirão novas pesquisas e descobertas à medida que surgirem.

À medida que a narrativa evolui, isso gera mais idéias que podem ser usadas para desenvolver o mapa do conhecimento.

Walter Benjamin, o filósofo, disse:

“Nada do que aconteceu jamais deve ser considerado como perdido para a história”.

O conhecimento gerado e representado no ResearchSpace não está bloqueado.

Os computadores podem entender e processar cada entrada no mapa do conhecimento e as relações entre eles. Os mapas de conhecimento são expressos em um formato de dados aberto que preserva o significado contextual e é projetado para facilitar a integração de dados, permitindo que futuros acadêmicos tenham acesso a cadeias anteriores de evidências, crenças e argumentos.

Visualizações de dados potencializadas por Knowledge Graph

À medida que mais pessoas colaborarem usando o ResearchSpace, novos mapas de conhecimento começarão a se conectar uns aos outros. Esses super mapas reunirão pesquisas previamente fragmentadas de diferentes pontos de vista, confrontando contradições que nos ajudam a entender um significado novo e mais amplo do passado e do presente.

Através do ResearchSpace nosso conhecimento em evolução do mundo pode ser melhor refletido em um espaço digital.

Imagine o seu projeto de SEO fazendo usa de dados estruturados que criam um Knowledge Graph específico para o seu domínio semântico. É essa a proposta que eu faço para quem me contrata como especialista em SEO: trabalhar com SEO Semântico para conseguir resultados avançados.

Artigos relacionados a Knowledge Graph

SEO Semântico: A pesquisa Semântica

Gerencie o SEO com a pesquisa semântica em mente. Desde que o Google lançou o RankBrain em 26 de Outubro de 2015, a forma como otimizamos o conteúdo dos...

Checklist de SEO para wordpress em 2021

Numa manhã um amigo me pergunta no WhatsApp: “Tu tem algum checklist de SEO para wordpress pra me indicar?”. Eu resolvi escrever o meu.

A Web Semântica e o SEO – Ao Vivo

Venha conversar comigo sobre SEO e Web Semântica!

Google Core Updates

O Google acabou de confirmar que lançou um update amplo hoje: Uma nova atualização ampla do núcleo começará a ser lançada na quarta-feira – esta chamada de Atualização do núcleo de junho de 2021, anunciou o contato de pesquisa do Google Danny Sullivan, acrescentando que também devemos esperar uma atualização principal de julho de 2021 no mês que vem. Aqui a minha formação (em andamento) de Bibliotecário fala mais forte: para um conteúdo ser publicado é preciso cumprir certos critérios como experiência, autoridade no assunto, confiabilidade de fontes e informações, originalidade.

Como trabalhar com o SEO?

Antes de responder como trabalhar com o SEO, quero que separe um tempo para assistir esse filme. Você não precisa fazer nenhuma faculdade para começar a trabalhar com SEO mas precisa desenvolver algumas habilidades importantes, como redação para Web, conhecimento técnico de desenvolvimento de sites (mas não precisa necessariamente ser um desenvolvedor), conhecer a fundo o funcionamento dos buscadores e algoritmos, análise de dados entre outras habilidades.

A Solução para as Fake News

Esse post foi originalmente escrito no meu linkedin e está sendo repostado aqui no blog. Se fizermos um esforço conjunto de todos que criam para a Web (redatores, programadores, pesquisadores e etc) podemos finalmente construir o sonho do Tim quando escreveu o Linked Data: A Web Semântica não é apenas sobre colocar dados na web.

O que é SEO em marketing digital?

Essa é uma das perguntas que me fazem um dia desses: O que é SEO em marketing digital? Isso acontece através do envio de uma série de mensagens (que podem ser feitas por e-mail, mensagens por celular ou aplicativos e redes sociais), no intuito de informar seu lead.

As 5 Leis do SEO

As 5 leis da Biblioteconomia, criadas por Ranganathan, definem as regras por qual todo ambiente informacional deve se relacionar com seus visitantes e suas necessidades de informação. Elas foram adaptadas ao SEO.

Exploração da semântica intrínseca dos dados

Pierre Lévy, em seu A Esfera Semântica, propõem um trabalho que combina ciências humanas com informática e ciências cognitivas, começando o trabalho teórico e conceitual da construção colaborativa de um “Hipercórtex global coordenada por uma metalinguagem computacional”. O potencial intrínseco no textos, criado pelo uso da linguagem natural, conectado com o potencial de tecnologias como a Inteligência Artificial, Tesauros, ontologias e marcação de dados, promete revolucionar o jeito que fazemos indexação, organização e recuperação da informação.

O que é e como funciona o SEO?

Este post inaugura uma série de posts que venho comecei a planejar tem pouco tempo e resolvi colocar logo em prática. Você está em um site de um consultor SEO, que defende e adora trabalhar com otimização, mas a resposta para essa pergunta é só uma: Experiência do Usuário.